feminicidio2

Apesar de quedas em demais crimes, número de feminicídios quase dobra em Goiás

Segundo Segurança Pública, maior queda registrada foi no caso de latrocínio, que é o roubo seguido de morte. Mortes de mulheres passaram de 17 em 2016 para 30 em 2017.

Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP) informou que registrou queda em oito crimes analisados, entre 2016 e 2017, no entanto, o número de feminicídios no estado quase dobrou. Segundo dados da plataforma de estatísticas do órgão, as mortes de mulheres passaram de 17 para 30 no mesmo período.

Em nota ao G1, a SSP informou que “diversas ações estão sendo empreendidas para combater o homicídio contra mulheres em todo o Estado”. Entre elas, segundo o órgão, estão: ampliação da Patrulha Maria da Penha e o aumento do efetivo de mulheres na Polícia Militar (confira íntegra da nota ao final da reportagem).

“Importante destacar que a violência contra mulheres é a manifestação extrema de diversas desigualdades historicamente construídas, que vigoram, lamentavelmente, nos campos social, político, cultural e econômico da maioria absoluta das sociedades e culturas”, diz um trecho da nota.

Em entrevista à TV Anhanguera, o secretário de segurança pública, Ricardo Balestreri, afirmou que as polícias estão atuando para diminuir a criminalidade em todo o estado.

“A resposta mais prática, a polícia está dando nas ruas diariamente. Nossa polícia tem enfrentando a criminalidade e resolvido de maneira rápida, atrapalhando o crime organizado, que é a grande fonte geradora de violência. Agora, temos que ser realistas. Lamentavelmente, crimes sempre vão ocorrer. As pessoas envolvidas no crime sempre vão reagir com emoção. Isso é do mundo contemporâneo. Temos uma polícia numericamente pequena, mas muito brava. Diria que, em Goiás cada policial vale por três ou quatro”, disse.

Apesar do aumento no número de feminicídios, o órgão divulgou um balanço, nesta quarta-feira (17), informando queda nos índices de oito tipos de crime. A maior regressão ocorreu no caso dos latrocínios, que são os roubos seguidos de morte. Conforme o órgão, entre 2016 e 2016 a diminuição foi de 37,7% nos casos.

A segunda maior queda registrada, segundo números da SSP, foi nos assaltos a comércios, que teve queda de 33% em um ano. A terceira maior regressão foi nos roubos a pessoas nas ruas, que caiu 26%, se comparado os números de 2016 com 2017.

Crimes em Goiás comparando 2016 e 2017

Crimes Queda Aumento
Feminicídio 176%
Homicídio 12,53%
Tentativas de homicídio 20,46%
Estupro 10,28%
Latrocínio 37,72%
Roubo a transeunte 26,37%
Roubo a comércio 33,74%
Roubo a residência 21,74%

Apesar dos números divulgados pela SSPAP, vítimas de assaltos relatam que não se sentem mais seguras. O motorista de caminhão Salustriano Moreira dos Santos contou que teve o instrumento de trabalho roubado.

Segundo ele, os autores do crime ligaram se passando por clientes e combinaram uma mudança em Aparecida de Goiânia na Região Metropolitana da capital. No entanto, chegando ao local combinado, ele foi vítima de um roubo.

“Cara já saiu de dentro do mato com um revólver, dois caras. Só um armado. Ele me tirou da caminhonete e me jogou no chão. Um falava: ‘Dá um tiro na cara desse filho de uma égua, dá um tiro na cara dele’”, recordou, em entrevista à TV Anhanguera.

Outra vítima de assaltos, o comerciante Roberto Pereira Borges, disse que precisou colocar grades no próprio comércio após ter mercearia assaltada sete vezes em três anos. Ele contou que mantêm menos produtos nas prateleiras e já perdeu clientes por causa da violência.

“Pessoa chega como cliente, aborda e leva o que tiver ao alcance, leva tudo. Está sem condições de trabalhar. Desse jeito vou à falência mesmo. Muita gente não vem mais porque tem medo. Outras porque não gostam de ser atendidas pela grade. A polícia, toda vez eu chamo, mas só três vezes eles puderam me atender”, afirmou.

Íntegra da nota da SSP
A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informa que diversas ações estão sendo empreendidas para combater o homicídio contra mulheres em todo o Estado. Um pacote com diversos programas neste sentido será anunciado nas próximas semanas. Entre as medidas, estão a ampliação da Patrulha Maria da Penha e o aumento do efetivo de mulheres na Polícia Militar.
Vale lembrar que na implantação da Patrulha Maria da Penha, Goiás saiu na frente no combate à violência contra a mulher. Em 2017, teve seu atendimento ampliado para 24 municípios goianos. Em todos eles, o órgão atua no atendimento às ocorrências de agressão, ameaças e outros tipos penais contra as mulheres dentro de seus lares, oferecendo condições para que as vítimas apresentem denúncias ou representações.
Importante destacar que a violência contra mulheres é a manifestação extrema de diversas desigualdades historicamente construídas, que vigoram, lamentavelmente, nos campos social, político, cultural e econômico da maioria absoluta das sociedades e culturas.
Em relação aos números, a SSP reitera seu compromisso com a transparência. A plataforma digital permite que qualquer cidadão acesse números absolutos de todas as naturezas criminais pesquisadas desde janeiro de 2011.”

Por Vanessa Martins, G1 GO  

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *